‘Rachadinha’: ex-funcionário de Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio afirma ao MPRJ que nunca teve crachá nem sabe o nome dos colegas da época

- Publicidade -

Por Ricardo Abreu, GloboNews

O ex-servidor público Gilmar Marques, que trabalhou no gabinete do vereador do Rio Carlos Bolsonaro de 2001 a 2008, disse ao Ministério Público que não se lembra dos nomes das pessoas com quem trabalhava e que nunca teve crachá.

A declaração foi dada no âmbito da investigação que a apura a possível existência de um esquema de “rachadinha” no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro (PL).

- Publicidade -

O MP investiga se Carlos Bolsonaro recebeu de volta parte dos salários de ex-funcionários que trabalharam em seu gabinete. Ele já teve os sigilos bancário, fiscal e telemático quebrados, junto com outras 26 pessoas, e o MP continua ouvindo depoimentos de funcionários investigados.

Ao depor, Gilmar disse que, apesar de trabalhar por sete anos com Carlos Bolsonaro e receber salário pago com dinheiro público, nunca teve crachá na Câmara do Rio. Em maio, a GloboNews mostrou que a Justiça autorizou a quebra dos sigilos.

Related Articles