Justiça de SP decide despejar Naji Nahas de mansão de R$ 50 milhões onde humorista imitou Bolsonaro e outros políticos em jantar

0
51

Por Kleber Tomaz, g1 SP — São Paulo

A Justiça de São Paulo decidiu nesta quarta-feira (24) despejar o empresário Naji Robert Nahas da mansão de mais de R$ 50 milhões que ele idealizou e ocupa desde 1980 nos Jardins, bairro nobre da Zona Sul da capital. O libanês de 74 anos ficou conhecido como o investidor financeiro que quebrou a Bolsa de Valores do Rio em 1989.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (26) pelo jornal O Estado de São Paulo e foi confirmada pelo g1.

Em setembro, a residência foi palco de um jantar em homenagem ao ex-presidente Michel Temer (MDB), oferecido por Nahas, onde o humorista André Marinho imitou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e outros políticos. O vídeo do encontro foi divulgado e viralizou nas redes sociais.

De acordo com o processo do caso, a Pebb comprou a mansão, que já foi de Nahas, diretamente do Banco Noroeste. O empresário, que está radicado desde os anos 1960 no Brasil, havia feito um empréstimo com o banco em 1984, mas se endividou e perdeu o imóvel que tinha deixado como garantia.

Como um dos sócios da Pebb, à época, era amigo de Nahas, ele comprou o crédito que o Noroeste tinha sobre a mansão para que o empresário continuasse morando de favor na residência.

O acordo foi verbal e funcionou como uma espécie de “comodato”, na qual a Pebb emprestava a mansão para Nahas morar, desde que se comprometesse a pagar as despesas da casa, como impostos, manutenção etc.

Mas após a morte desse amigo de Nahas, outros sócios da Pebb decidiram entrar na Justiça em 2019 pedindo a saída do empresário e de sua família da mansão e a entrega dela à companhia.

Um dos motivos alegados pela Pebb à Justiça foi de que Nahas deixou de pagar o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) do imóvel. Nos últimos três anos, por exemplo, a dívida teria chegado a mais de R$ 5 milhões com a Prefeitura de São Paulo. E como a residência está em nome da Pebb, esse débito está sendo cobrado da companhia.

O pedido de reintegração de posse da mansão foi negado na primeira instância da Justiça. Mas a Pebb recorreu e conseguiu que a 13ª Câmara de Direito Privado do TJ, que representa a segunda instância da Justiça, decretasse o despejo de Nahas e determinasse que o imóvel seja dado a companhia.