Acre teve a terceira maior taxa de homicídios femininos em 2020

- Publicidade -

Por Ramairi Cardoso, ac24horas.com

Os dados apresentados na última edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública moldam um retrato das notificações oficiais de violência contra meninas e mulheres em todo o país no ano de 2020, período marcado pela pandemia de Covid-19.

Foram 3.913 homicídios de mulheres, dos quais 1.350 foram registrados como feminicídios, média de 34,5% do total de assassinatos. A taxa de homicídios de mulheres caiu 2,1%, passando de 3,7 mulheres mortas por grupo de 100 mil mulheres em 2019 para 3,6 mortes por 100 mil em 2020.

- Publicidade -

Os feminicídios, por sua vez, apresentaram variação de 0,7% na taxa, que se manteve estável em 1,2 mortes por grupo de 100 mil pessoas. Em números absolutos, 1.350 mulheres foram assassinadas por sua condição de gênero, ou seja, morreram por serem mulheres.

No total, foram 3.913 mulheres assassinadas no país no ano passado, inclusos os números do feminicídio. Esta relação indica que 34,5% do total de assassinatos de mulheres foi considerado como feminicídio pelas Polícias Civis estaduais.

As taxas mais elevadas de homicídios femininos ocorreram no Mato Grosso do Sul (7,8), no Ceará (7,0), no Acre (6,9) e em Rondônia (6,4). As maiores taxas de feminicídio estão em Mato Grosso com taxa de 3,6; Roraima e Mato Grosso do Sul, ambos com taxa de 3 por 100 mil mulheres; e Acre com taxa de 2,7.

Também em 2020, no primeiro semestre daquele ano, o Acre registrou um aumento de 170% no número de mulheres assassinadas em comparação com o mesmo período do ano anterior. Foi o maior crescimento entre todas as demais unidades da federação.

Foram oito feminicídios ocorridos naquela ocasião contra três do ano anterior, segundo dados do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O feminicídio ocorre quando as mulheres são mortas por conta do gênero.

Related Articles