No governo Bolsonaro, Pessoas buscam ossos de carne na caçamba de descarte do Mercadão, Centro de SP

- Publicidade -

Por G1 

Do lado de dentro de um dos principais pontos turísticos de São Paulo, boxes e restaurantes vendem frutas, verduras, carnes, peixes, castanhas. Do lado de fora do Mercadão Municipal, no Centro de São Paulo, um flagrante da luta contra a fome: pessoas buscando ossos de carne na caçamba de descarte do mercado.

- Publicidade -

 

Josefa Romão, de 55 anos, desempregada, contou que há poucos dias começou a ir no local para tentar garimpar os ossos. “Vergonha é roubar e ir para a cadeia, eu não vou morrer de fome não”, disse enquanto buscava o alimento em meio ao lixo da caçamba.

Ela mora em Guianases, na Zona Leste da capital – a cerca de 30 km do Mercadão – e divide o aluguel de R$ 400 com um companheiro. Ela costumava ajudá-lo com a venda de coco, em uma barraca próxima ao mercado, mas conta que as vendas caíram muito. “Quando não tinha essa pandemia era tudo bem”, disse Josefa.

Segundo um funcionário do Mercadão que trabalha no local, o ponto sempre foi buscado por moradores em situação de rua para tentar conseguir alimentos que foram jogados fora, mas com a crise causada pela pandemia, também começaram a aparecer famílias com moradia, mas que passam por dificuldades.

O autônomo João Silva, de 43 anos, também estava em busca do que seria descartado na caçamba. No entanto, ele resgata os alimentos antes mesmo que sejam jogados no lixo, já que ele tem outro foco: além do consumo próprio, a revenda para auxiliar com a renda e o aluguel de um cômodo na Liberdade.

“Aqui eu pego peixe, camarão, caranguejo. Tudo que é de mistura que dá para aproveitar, a gente aproveita, que dá para o meu sustento, e para eu poder ganhar um dinheiro também”, conta João.

Sobre a procura por alimentos descartados no local, a empresa vencedora da concessão do Mercadão informou que “as empresas que ocupam os espaços já efetuam doação para ONG’s de sua preferência”.

Related Articles