Após impedir servidores de deixar aldeia no Acre, indígenas liberam rio e negociam reunião com a Funai

- Publicidade -

Após algumas horas de bloqueio no Rio Moa, onde proibiram a passagem de turistas saindo ou chegando na Serra do Divisor, no interior do Acre, os indígenas do Povo Nawas lliberaram o acesso à comunidades por volta das 16h (horário local) deste domingo (18). A liberação ocorreu após negociação com a coordenação da Fundação Nacional do Índio (Funai).

O bloqueio do rio foi feito como forma de protesto para cobrar celeridade no processo de demarcação das terras indígenas dos Nawas. Entre as pessoas retidas, havia 11 servidores públicos, entre funcionários do governo do estado e da prefeitura de Mâncio Limas.

Eliane Sinhasique, secretária de estado de Empreendedorismo e Turismo do Acre (SEET), informou que o grupo estava ministrando cursos de capacitação para as comunidades da Serra do Divisor e estavam retornando para Mâncio Lima quando foram impedidos de continuar a viagem. A equipe era composta por 4 funcionários da Secretaria de Empreendedorismo e Turismo, 2 do Sebrae, um do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação de Serviços Ambientais (IMC), dois da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom) e um da Prefeitura de Mâncio Lima.

- Publicidade -

O coordenador regional da Funai, Marco Gimenez, informou que conseguiu contato com o cacique da aldeia e o convenceu a liberar a passagem dos viajantes. “Marquei uma reunião para que a gente possa sentar e avaliar o pedido deles. Mas é importante a gente destacar que eles não prenderam os servidores. Eles bloquearam o rio, o que acabou deixando eles retidos na aldeia”, destacou.

Mesmo com a liberação, o coordenador disse que orientou que os servidores só façam a viagem de volta na manhã desta segunda-feira (19). Por segurança, os servidores ficarão acomodados no Polo de Saúde da Aldeia República nesta noite.

Por G1

Related Articles