Alegando não ter imunidade, médica tomou duas doses da CoronaVac e uma da Janssen

- Publicidade -

A médica ginecologista Jaqueline Lola Hassem foi a profissional da saúde que conseguiu burlar o sistema de vacinação de Rio Branco e tomou três doses da vacina contra a Covid-19. O ac24horas apurou que ela tomou a primeira dose do imunizante CoronaVac no dia 26 de janeiro deste ano e a segunda dose no dia 24 de março e a terceira dose teria sido da a da Janssen, que segundo a Vigilância Municipal, foi identificado na última terça-feira, 6, pelos registros da vacina.

O secretário municipal de Saúde, Frank Lima, não nega nem confirma o nome da médica e nem se ela é dos quadros da Semsa porque a profissional não foi notificada ainda. O gestor cita que ela não cometeu falta disciplinar como médica. “Ela não cometeu a falta de ética no trabalho e sim como cidadã”, explicou.

Lima garante que o fato será levado ao conhecimento do Ministério Público, da Superintendência do Ministério da Saúde no Acre e dos órgãos de controle, para instaurar os devidos procedimentos legais. “Trata-se de crime contra o patrimônio público e coloca em risco a vida, já que não tem estudos que apontem nessa direção”, afirma o município.

- Publicidade -

Um familiar da médica, que não quis se identificar, afirma que depois de duas doses de vacina, ela fez teste e não tinha imunidade. A profissional teria tido Covid-19 duas vezes e chegou a ficar internada no Pronto-Socorro de Rio Branco, por isso buscou reforço na dose. “Ela trabalha na maternidade, INTO e no Santa Juliana e é uma excelente profissional. Como não tinha adquirido imunidade foi sugerido a ela que tomasse outra dose para voltar a atuar na linha de frente nos hospitais. Só queria se proteger”, citou a parente.

Informações extra oficiais dão conta que outros médicos também tomaram doses extras de vacina para se adequarem às exigências em caso de viagem para a Europa e Estados Unidos.

Por Ac24horas

Related Articles