Jordão: Secretaria de Educação reativa ensino especial no município; professores da zona rural participam de formação continuada

- Publicidade -

A Prefeitura de Jordão, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte e a coordenação de Ensino Especial, promoveu a formação continuada com o corpo docente municipal que vão atuar na zona rural de Jordão. O ano letivo na zona rural do 1º ao 9º ano do ensino fundamental será ministrado na modalidade semipresencial, com a divisão das turmas em dias alternativos. O curso foi ministrado pela professora Belineide Andrade, coordenadora do Ensino Especial, e a professora Elenilsa Damasceno.

“Num dia o professor leciona para metade dos anos da turma. Entrega as apostilas, tira as dúvidas, no outro faz o mesmo com os demais alunos. Quando chegar a vez dos primeiros alunos, o docente faz a correção e entrega novos materiais. Todos usarão máscaras e álcool gel, bem como manterão o distanciamento social”, garante a Secretária de Educação Meire Sérgio.

- Publicidade -

Vale destacar que os educadores de Jordão, além de a população rural com idade acima de 18 anos, já foram vacinados contra a covid-19. O que gera segurança aos docentes, discentes e a comunidade de um modo geral.

A partir desse ano, a SEME volta novamente atender alunos que fazem parte do grupo da Educação Especial. Construindo uma educação inclusiva com os educandos que apresentam dificuldades educacionais devido alguma deficiência, transtornos e altas habilidades. De 2013 a 2016 esses alunos tinham sido inseridos, época que Meire Sérgio geria a pasta da Educação municipal.

Para o melhor desenvolvimento da educação na gestão do prefeito Naudo Ribeiro, a Secretaria de Educação efetuou a contratação de uma psicóloga escolar/educacional e uma assistente social para auxiliar o trabalho dos professores nas ações educativas com os pais, alunos e público da comunidade que for lecionar.

Segundo a psicóloga Daniella Galvão, que faz parte da equipe da SEME e contribuiu com a formação docente, o foco da sua atuação é promover a interação entre os agentes educacionais. “Isso inclui gestores, professores, alunos e os pais. Ela também foca no diálogo e as formas de como o educador vai trabalhar o público com necessidades especiais. Outro ponto a ser trabalhado é o estresse da equipe e a motivação”.

Já a assistente social, Géssyca Hoara, salienta que o seu trabalho é voltado para a melhora da qualidade do ensino. “Nosso trabalho é voltado para a qualidade do ensino. Com orientações aos diretores, professores, pais e alunos. Em relação a qualificação dos profissionais, identificamos as dificuldades no processo de ensino-aprendizagem e orientamos quais os métodos de aprendizado devem ser usado e o manuseio com a cada indivíduo. Trabalhar para evitar a evasão escolar, identificar o trabalho infantil e relações conflituosas. Esse trabalho é da Secretaria de Assistência Social, mas o assistente social educacional identifica e encaminha para a pasta e acompanha para ver se foi sanado”, diz.

Para a professora Meire Sérgio, esse trabalho de formação colabora para a melhoria do ensino, tendo em vista as dificuldades no período de enfrentamento à covid-19 , além disso, os alunos não conseguiram avançar com as aulas remotas. “Ouvimos reclamações que aulas remotas não tinham proporcionado o aprendizado que se espera. Por isso, fizemos uma formação continuada, com a coordenação de ensino especial, psicóloga e assistente social. Também implantamos a modalidade semipresencial. Nosso objetivo é oferecer o melhor aos alunos, porque sabemos da dificuldade que é estudar na zona rural e, desse modo, precisamos ser cada vez mais eficientes”.

O prefeito Naudo Ribeiro esteve presente na cerimônia de certificação dos docentes. Os vereadores Rosaldo Saraiva (PT), Guedes Oliveira (MDB) e o presidente da Câmara de Vereadores, Eudes Mendes (PDT), também estiveram presentes.

Prefeito Naudo Ribeiro

Coordenadora do Ensino Especial, Belineide Andrade, e a professora Elenilsa Damasceno

Related Articles