Jordão: Jovens ficam desempregados pela demora do IEPTEC/Dom Moacyr em concluir curso de técnico enfermagem; estudantes foram aprovados em concursos, mas ficaram impedidos de assumir por falta de diploma

- Publicidade -

A grande maioria dos jovens que estudam, almejam concluir seu curso, fazer um concurso público e ter um emprego. Principalmente os que vivem nas regiões isoladas do Brasil, como é o caso de jovens do município de Jordão, no interior do Estado do Acre, onde 60% dos empregados fazem parte do funcionalismo público municipal ou estadual.

Contudo, a história a seguir é triste, para não dizer vergonhosa.  Alguns jovens da pacata cidade, cuja população urbana gira em torno de mil munícipes, perderam a oportunidade de ter um emprego público permanente devido à falta de compromisso dos gestores do Instituto Dom Moacyr (atual IEPTEC) com quem estuda. Eles foram aprovados em três concursos para técnicos de enfermagem, mas devido ao atraso que perdura por quase dois anos, na conclusão do referido curso no município, quatro estudantes ficaram impedidos de assinar contrato e ter o primeiro emprego. Uma situação lastimável!

O Programa Pronatec do Governo Federal, lançado no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff (PT), promoveu a realização de diversos cursos técnicos, com destaque para a área de saúde. No Acre, por exemplo, foi oferecido cursos de Técnicos de Enfermagem, e o município de Jordão foi um dos contemplados vagas. O Instituto Dom Moacyr ficou responsável pela execução dos cursos.

- Publicidade -

Alguns jovens de Jordão viram ali, a chance de ter uma profissão e mais adiante um emprego. Haja vista que a perspectiva de sair do município e estudar fora, esbarra na falta de recursos para se manter e poder ter uma profissão.

O curso de Técnico de Enfermagem tem dois anos e meio de duração. Incluindo aulas teóricas e práticas. Como as aulas iniciaram em 2017, a previsão do término seria no máximo final de 2019. Ledo engano. Até a data da publicação dessa matéria, os jovens aguardam para fazer o estágio.

O mais triste dessa história é que depois da conclusão das aulas teóricas em maio de 2019, eles ficaram parados sete meses por falta de material e profissional para fazer o acompanhamento.  Depois disso, quando iniciaram o estágio, no início de 2020, veio a pandemia. Aí, ficou tudo parado novamente e até agora nada.

Nesse intervalo de quatro anos para concluir um curso, que demoraria dois e meio, foram realizados vários concursos públicos, para área que estão em busca de se formar. Sendo que alguns desses estudantes fizeram a prova e obtiveram êxitos, como é o caso Andricy Souza da Silva, aprovada no certame da Prefeitura de Cruzeiro do Sul e convocada para assumir em fevereiro de 2020. Todavia, sem diploma, requisito básico para tomar posse, o primeiro emprego efetivo passou a ser um sonho futuro. Andricy passou a mesma situação no seletivo do IAPEN em Rio Branco.

Outros jovens também vivem situação semelhante, são eles: José Edinaldo Silva, Fabiana Pereira Souza e José Maiko do Espirito Santo. Todos aprovados no concurso da Secretaria Municipal de Saúde de Jordão, mas sem o diploma de técnico de enfermagem, terão que ficar esperando um novo concurso, quem sabe depois de o IEPTEC/ Dom Moacyr se compadecer deles.

Realidade

Sem diploma e sem emprego: a triste realidade dos jovens jordanenses que perderam a chance de serem concursados devido à demora na conclusão do curso de Técnico de Enfermagem.

Related Articles