quinta-feira, setembro 24, 2020

Demarcação de terras indígenas reduziu o desmatamento na Amazônia, diz estudo

Houve menos desmatamento dentro de territórios indígenas que em áreas não demarcadas da floresta Amazônica, aponta um estudo publicado nesta terça-feira (11) pela revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, analisaram imagens feitas por satélites durante mais de 30 anos. Segundo o artigo “Collective property rights reduce deforestation in the Brazilian Amazon“, áreas não demarcadas foram as que mais sofreram com o desmate.

“Nossa pesquisa mostra que os direitos de propriedade têm implicações para a capacidade dos povos indígenas de conter o desmatamento em seus territórios”, escreveu Kathryn Baragwanath, uma das autoras.

Entre 1982 e 2016, os cientistas registraram uma “diminuição significativa” nas taxas de floresta derrubada nas propriedades indígenas. Territórios demarcados tiveram uma redução de 66%, em média, no desmatamento.

Nesta comparação (veja a imagem acima), em vermelho estão destacadas as áreas desmatadas em 1985, 1995, 2005 e 2015. Quando mais escuro, maior a porcentagem de floresta derrubada. Já em amarelo, estão as reservas indígenas com “plenos direitos”.

Os pesquisadores defenderam que a demarcação de terras pode ser uma estratégia viável para o combate ao desmatamento ilegal. Além disso, eles opinaram que a preservação da floresta pelos povos originários pode ter “um impacto positivo” na mitigação das mudanças climáticas.

“Os territórios indígenas não cumprem só um papel de direitos humanos, mas são uma forma econômica de governos preservarem suas áreas florestais e atingirem as metas climáticas” – Baragwanath, pesquisadora da Universidade da Califórnia.

Aumento do desmate

O estudo, no entanto, avaliou a floresta até 2016. Na semana passada, outro levantamento feito pelo Instituto Socioambiental concluiu que a destruição da floresta em terras indígenas na Amazônia aumentou vertiginosamente em 2019.

desmatamento atingiu 115 terras indígenas em 2019. Os dados são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Foram destruídos 42.679 hectares em 2019, quase duas vezes o tamanho da cidade do Recife, 80% a mais na comparação com o ano anterior. A situação é ainda pior quando se analisa as terras com registros dos chamados povos isolados – estudo destaca que, nessas áreas, o desmatamento em 2019 mais que dobrou em relação a 2018.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...