quarta-feira, dezembro 2, 2020

Anticorpos e Células T: como é construída a imunidade contra o novo coronavírus

Quando você contrai o vírus da catapora, sarampo ou gripe, por exemplo, seu corpo mobiliza um batalhão de células e moléculas para responder ao agente estranho e impedi-lo de te deixar doente. Assim, você pode começar a tossir bastante para eliminar o vírus da gripe de dentro do seu corpo, por exemplo, ou ter febre (o seu corpo aumenta a própria temperatura para tentar matar o corpo estranho). Essas ações são chamadas de resposta imune, mas ela não para por aí.

O seu corpo também mobiliza moléculas para matar os corpos estranhos chamadas de anticorpos, que são a principal defesa de nosso organismo contra doenças. Quando seus anticorpos entram em contato com uma nova doença, eles aprendem a lutar contra ela.

O mesmo acontece com outro tipo de proteção mediada pelos linfócitos T, que matam as células infectadas pelo agente estranho, como os vírus (o único problema é que vírus como o do HIV destrói as células T em si).

Em alguns casos esse aprendizado pode durar meses, como é o caso da gripe, ou a vida inteira, como é o caso do sarampo e da catapora.

Assim, quando você contrai uma doença infecciosa, existe uma chance grande de nunca mais contraí-la, ou demorar muito tempo para que isso aconteça de novo.

Por isso, podemos criar vacinas contra doenças, ensinar nossos corpos a combatê-las caso entremos em contato com elas algum dia e, em muitos casos, apenas precisamos tomá-la uma vez na vida ou a cada 10 anos, por exemplo.

Quando se trata do novo coronavírus, é com isso que contamos: que o nosso corpo consiga aprender a lutar contra o vírus e se lembre disso após a infecção, caso contrário, a vacina não será efetiva. O grande problema é que estudos do King’s College London mostram que os anticorpos podem desaparecer completamente após 3 meses e, em alguns casos, nunca aparecerem.

Logo, a grande esperança é que os linfócitos T, ou células T, sejam os grandes responsáveis pela imunidade pós-infecção do coronavírus e, aparentemente, é isso que ocorre. Ainda assim, em pacientes graves, as autópsias mostram que os órgãos nos quais as células  T são criadas necrosam, lesão semelhante a que ocorre em pessoas que morrem por HIV.

Ainda assim, estas células talvez sejam a nossa maior esperança na busca por uma vacina para o vírus da Sars-Cov-2.

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

TARAUACÁ: 104 ANOS DE UM BELA HISTÓRIA

Por Isaac Melo (Blog Alma Acreana) BREVE HISTÓRICO - O século XIX é um século de grandes explorações na Amazônia. Surgem as famosas expedições de...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...