quarta-feira, setembro 23, 2020

Família se mobiliza em campanha em prol de criança com doença rara no intestino

Internado, praticamente, desde o nascimento, o pequeno Nícolas Rael, de apenas um mês de vida, foi diagnosticado com uma rara doença no intestino: a doença de Hirschsprung. Já foram quatro cirurgias em menos de trinta dias; sendo que três ocorreram no espaço de uma semana. Os familiares e amigos realizam uma campanha para arrecadar dinheiro para o tratamento que ocorre em Rio Branco. A criança e os pais são naturais de Cruzeiro do Sul; mas, agora, precisarão morar na capital para realizar os cuidados do bebê.

Nícolas nasceu em um parto de emergência, com 38 semanas de gestação, após a mãe, Carolaine Pereira, de 23 anos, ter contraído Covid-19. Nos primeiros dias de vida, o pequeno parecia totalmente saudável; tão logo chegou em casa, após a alta médica, os pais perceberam que havia algo errado. A mãe contou que notou que o filho encontrava dificuldades para evacuar e que a barriga inchava bastante. A doença de Hirschsprung envolve a ausência de células nervosas nos músculos, de uma parte ou da totalidade do intestino grosso (cólon). É congênita e dificulta a passagem das fezes.

“Eu falei com dois pediatras e eles diziam que era apenas resto de parto. Meu filho continuou sentindo dores e dificuldades; então, levamos ao hospital. Lá o médico observou que a barriga do bebê estava muito constipada, foi quando suspeitou da doença. Meu filho foi encaminhado para Rio Branco através do TFD”, contou a mãe.

Em Rio Branco, a criança passou por uma biopsia que diagnosticou a doença no intestino e uma outra enfermidade: Nicolas também foi diagnosticado com laringomalacia; um distúrbio caracterizado pelo colapso das cartilagens laríngeas durante a inspiração.

Ao chegar na capital, a mãe foi informada, por uma das médicas, sobre um procedimento cirúrgico menos invasivo chamado “biopsia de congelamento”, mas o procedimento não é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Na rede particular, a cirurgia custa R$80 mil reais. Como a família não tem recursos para arcar com o tratamento, optaram pela cirurgia tradicional, que já estava marcada. Desde o nascimento, o pequeno Nícolas já foi submetido à quatro cirurgias.

A primeira foi uma pequena abertura para retirar uma parte do intestino para realizar a biopsia. Na segunda-feira passada, dia 06 de julho, Nícolas teve que passar pela primeira operação invasiva, com abertura do corpo; mas não obteve sucesso, o intestino continuou distendido. O segundo procedimento ocorreu um dia depois. Após a cirurgia, a criança passou mal, vomitava bastante. Isso fez com que a cirurgia abrisse, parte do intestino ficou exposto, sendo necessária uma terceira cirurgia. Durante as cirurgias, foi necessário realizar uma colostomia (abertura pela barriga para saída das fezes). Desde sexta-feira (10), o pequeno está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Criança em Rio Branco.

“A médica nos reacendeu a esperança quando falou desse processo de congelamento, mas somente essa cirurgia custa R$80 mil. Como ele já estava na lista de espera e não temos condições para arcar com o valor, optamos pela cirurgia normal. No entanto, o intestino continuou distendido e foi preciso passar por outra operação; o que gerou muito vômito em jatos, e isso fez com que a cirurgia abrisse e o intestino saísse para fora. A médica nos falou que suspeitava que a doença dele fosse ainda mais rara e sem cura e que ele precisaria ir para São Paulo para ser estudado, mas era preciso aguardarmos o exame que constava isso” (sic), relatou a mãe.

A família aguardava o laudo do exame anatómico patológico que comprovaria se a criança tem ou não células no intestino necessárias para o processo de defecação. O resultado saiu nesta segunda-feira (13), com uma boa notícia: Nícolas possui as células necessárias para sobreviver e o tratamento poderá ser realizado em Rio Branco, sem necessidade de ir para São Paulo. O pai da criança teve que largar o trabalho para ajudar a mãe nos cuidados com o filho.

“Teremos que morar em Rio Branco para o tratamento dele. Quando eu estava no hospital um homem invadiu nosso quarto; estávamos em isolamento devido à espera de um resultado de Covid-19 do Nicolas. Esse assaltante levou meu celular. Fiquei em pânico diante toda a situação. Meu marido largou o trabalho em Cruzeiro e veio para ajudar. Nós estamos sem trabalho e não temos familiares aqui em Rio Branco”, contou.

A campanha visa arrecadar recursos para a compra de fraldas, pomadas, remédios e para a realização de exames. A família disponibilizou duas contas para quem desejar ajudar por meio de transferência bancária:

BANCO DO BRASIL
AG 234-8 CP 45.830-9; VARIAÇÃO 51 – Titular: Carolaine P Silva (mãe de Nícolas)
Outra opção é uma conta da CAIXA ECONÔNIMA FEDERAL
AG: 0303 Conta: 013 00005097-8 – Titular: Maria Pereira da Silva (avó de Nícolas).

Fonte: Juruá Em Tempo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...