quarta-feira, setembro 23, 2020

Com saca vendida a R$150, preço da farinha tem aumento de mais de 114% em Cruzeiro do Sul

Um dos principais produtos que movimentam a economia de Cruzeiro do Sul, a farinha de mandioca, teve uma alta elevação no valor de venda neste mês de junho. A saca de 50 quilos da farinha de qualidade, que há três meses custava aproximadamente R$70 reais, agora é encontrada no mercado por  R$150 a R$170, um acréscimo de mais de 114%. O presidente da Cooperativa Agrícola Mista dos Produtores de Cruzeiro do Sul (Camprucsul), Elson Pereira, atribui a alta do preço a dois fatores: a dificuldade na produção e compra em razão da pandemia do Covid e a necessidade de valorização da mão de obra do produtor.

De acordo com Elson Pereira, a cooperativa teve a iniciativa de valorizar a mão de obra do produtor, ao verificar que os prejuízos estavam sendo maiores que os lucros.

“Percebemos que o produtor estava pagando para trabalhar, pois não é justo com todo trabalho e despesa que eles têm para fazer a farinha, venderem por esse preço tão baixo. Começamos a comprar deles por R$100. Isso automaticamente aumenta o preço, e o marreteiro começou a comprar com um preço melhor também. O objetivo da cooperativa é sempre valorizar o produtor. Não é um preço abusivo, está sendo valorizado o trabalho e a despesa”, enfatizou.

O Presidente da cooperativa explicou que com a Covid-19, muitos produtores estão encontrando dificuldades para ter acesso na cidade e realizar as vendas, e deram preferência a parar a produção.

“Foram essas duas situações que fizeram o preço aumentar, primeiro para valorizar a mão de obra, e segundo que tudo parou, pois o produtor não quer fazer a farinha porque não ter para quem vender. Não temos contato com alguns, pois não podemos visita-los devido a pandemia, muitas comunidades estão fechadas. Então dificultou o abastecimento”, completou.

Produzida nos municípios de Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Cruzeiro do Sul, a farinha de Cruzeiro do Sul, como ficou conhecida, é a primeira farinha de mandioca com Indicação Geográfica (IG) no mundo. Atualmente a farinha de Cruzeiro do Sul é  exportada para outros estados do país. A Central Juruá recebe e comercializa a produção de agricultores da região que estão organizados em quatro cooperativas associadas, entre elas a Camprucsul.

Por Vanisia Nery 

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...