domingo, julho 5, 2020

“Homeschoolling”: a pandemia revela contradições

 

“Homeschoolling” ou educação domiciliar é o termo que denomina o tipo de educação formal desenvolvido em ambiente doméstico, onde os responsáveis pela criança ou professores particulares assumem a incumbência de ensinar os conteúdos curriculares de forma individualizada ou em pequenos grupos de pessoas da mesma família. Embora em muitos países essa seja uma prática comum, regulamentada e acompanhada com seriedade pelo governo, no Brasil, a busca pela adesão a tal modelo tem se fundamentado principalmente na justificativa da inadequação das escolas públicas para a educação moral das crianças. 

Desde que se intensificou, a partir de 2015, discursos contra a escola pública e seus professores, muito se ouviu falar de pais que exigiam o direito de ensinar em casa, para que seus filhos não fossem contaminados por uma dita doutrinação política e ideológica, noção pregada principalmente por um movimento chamado “Escola Sem Partido”. Não se faz necessário dizer o quanto é absurda a ideia de que os professores, em cinquenta ou sessenta minutos de aula, tenham possibilidade de ensinar o conteúdo cobrado pelo currículo da escola, ao mesmo tempo em que cuidam do comportamento da turma e fazem propaganda de seu partido político, mas é imperioso lembrarmos que estes discursos não representam a classe trabalhadora. 

Poderíamos dizer que de alguma forma, estamos experimentando, por força da pandemia da COVID-19 e sem muito sucesso, a educação domiciliar. Não somente em razão dos memes que circulam na internet sobre a impaciência dos pais ao ensinar seus filhos em casa, uma coisa devemos admitir: a escola faz falta. Os mesmos pais que esbravejavam a ideia de que professores recebiam salários maiores do que mereciam e não trabalhavam, e os mesmos que acreditavam que o trabalho docente era fácil, consestindo em apenas passar conteúdo enquanto seus filhos ouviam atentos e quietos, se veem incapazes de ao menos monitorar a feitura dos trabalhos que as escolas se empenham para fazer chegar aos alunos. 

Agora, grande parte dos pais percebe que a escola não só era capaz de ensinar, como cumpria a brilhante missão de deixá-los “livres” dos filhos boa parte do dia. Agora somos capazes de enxergar que a escola pública e os professores, sempre tão atacados, são os instrumentos de que as populações menos favorecidas dispõem para buscar mudanças na estrutura social e que a maior parte da população não tem qualquer condição de abdicar da educação escolar e presencial. 

Além disso, a falta da escola não afeta somente a paciência dos pais, mas também acirra as desigualdades, excluindo dos processos efetivos de aprendizagem aqueles que não dispõem de internet e outras ferramentas de auxílio ao acesso de aulas à distância, sem mencionar as demandas de sociabilidade não explicitadas no currículo formal e não supridas por videoaula. 

Fiquemos em casa e lembremos da importância da escola pública e presencial. 

Por:  Maria José Correia (formada em História – UFAC e mestranda em Educação – UFAC)

02 de junho de 2020

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Coluna Diva: Lenilda Farias, a exuberância da mulher da terra do abacaxi

Confesso que estava morrendo de saudades de escrever sobre as belas mulheres e descrever a perfeição das curvas de seus corpos e, claro, falar...