TARAUACÁ: SEM AULAS, SEM TRABALHO E SEM RENDA, PROFESSORES PROVISÓRIOS DA REDE ESTADUAL PEDEM SOCORRO AO GOVERNADOR

Por Accioly Gomes, Blog do Acciolytk
Centenas de professores da rede estadual de ensino que trabalham com contratos temporários ou contratação direta, que há anos prestam serviços na educação, estão passando por uma situação extremamente difícil por conta da suspensão os processos seletivos previstos para acontecerem antes da suspensão das aulas. 

Todos os anos eles são convocados para suprir as necessidades do sistema, por causa da carência de professores efetivos no quadro da educação. São profissionais experientes que atuam em áreas específicas como inglês, biologia, matemática, português, química, ciências e outras, por falta de professores efetivos com a mesma formação.

Em 2020 por conta da pandemia, os seletivos para suas contratações foram suspensos com a interrupção das aulas e isso os deixou sem suas únicas fontes de renda das quais sustentavam suas suas famílias.

Assim como outras categorias eles pedem um socorro ao governo estadual para que possam receber uma ajuda e sustentar suas famílias nesse momento difícil.

Abaixo, alguns depoimentos que foram enviados ao blog.   

Bom dia sou professor provisório de biologia de Tarauacá. Este ano tava previsto a realização de um processo seletivo, porém, tudo foi paralisado devido ao coronavirus. Assim como eu, vários outros profissionais estão nessa mesma condição. Peço que façam uma matéria levando ao conhecimento da sociedade a nossa situação. Pedimos que se  for possível o nosso governador pode faça algo pela gente. Somos pais e mães de famílias, estamos sem trabalhar, sem receber e passando por dificuldades grandes“.

(Pai de família – Professor de Biologia)

Tarauacá – Acre, 08/05/2020 
“De repente, não mais que de repente, nos tornamos vitimas de um desconhecido que causa dor e pânico: o famoso corona vírus. Em um piscar de olhos, um sorriso se esconde atrás de uma máscara e a alegria se esconde atrás de uma lágrima onde a dura realidade nos desperta em um pesadelo incomum que nos deixa imobilizados praticamente sem saída, sem refugio sendo apenas conduzidos pela Fé em Deus que é nossa única fortaleza. Não tem sido fácil a vida do brasileiro, é triste a realidade que estamos vivenciando e para complicar ainda mais, o desemprego auxilia na tortura que fraqueja e domina o cidadão que busca sobreviver e superar a pandemia existente no Brasil. 
 
O confinamento tem se tornado algo preocupante, pois, sou mãe de dois filhos, casada com um senhor de saúde debilitada que necessita de uma atenção diferenciada encontrando-se atualmente no grupo de pessoas da área de risco e também convivo com minha sogra, uma senhora de idade avançada que também causa bastante preocupação devido sua idade e o risco previsto. 
 
Atualmente, desempregada, me sinto desvalorizada, pois, exercia o papel de professora temporário (contrato direto) e hoje me encontro sem condições de manter o sustento de minha família dependendo muitas vezes da generosidade de minha mãe que se compadece da difícil realidade e nos auxilia com a alimentação. 
 
Não é fácil conviver com a dor do fracasso, onde as portas se fecham e a luz no fim do túnel se torna fraca, quase invisível, onde muitos te viram as costas e cada vez mais tudo parece não ter mais fim, aonde à esperança vai se distanciando e os mais fortes (poderosos) ditam as regras a serem seguidas. Mas, creio que tudo isso vai passar, Deus jamais abandona seus filhos e nos guiará no caminho certo ao qual deveremos seguir com firmeza e Fé, superando as dificuldades e nos tornado pessoas vitoriosas em sua infinita bondade“. 
(Mãe de familia – Professora de História e Inglês)
“Sou professor (desempregado no momento) e minha área de atuação é de necessidade. Infelizmente esse ano não fui chamado pra trabalhar por questões burocráticas, e quando as esperanças voltaram vem essa pandemia e fecha a porta de novo. Atualmente não tenho renda e venho sendo auxiliado pela minha companheira. Estou vivendo um momento financeiro delicado. Não tem me faltado o necessário, mas, alguns compromissos atrasaram e tenho que tá dando satisfação. Isso me envergonha e me entristece. O momento é de muita apreensão, mas, queiro deixar aqui meu desabafo enquanto professor”.
(Pai de Familia – Professor de Inglês)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *