terça-feira, setembro 22, 2020

Justiça dos EUA acusa Ricardo Teixeira de ter recebido suborno para votar no Catar como sede da Copa

Pela primeira vez, Departamento de Justiça norte-americana cita ex-presidente da CBF e outros dirigentes de participarem de esquema para que Rússia e país asiático recebessem o Mundial.

Por Martín Fernandez ( Globo Esporte) — São Paulo

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ, na sigla em inglês), em documento tornado público nesta segunda-feira, acusa o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, de ter recebido subornos para votar no Catar como sede da Copa do Mundo de 2022. A acusação está num novo indiciamento do “Caso Fifa”, a maior investigação da história sobre corrupção no futebol. O valor da propina não foi divulgado.

É a primeira vez que a justiça norte-americana acusa dirigentes nominalmente de terem recebido suborno nas votações para eleger as sedes da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, e de 2022, no Catar. A denúncia, no entanto, não cita a origem das propinas.

A defesa de Ricardo Teixeira nega as acusações. Em entrevista recente à CNN Brasil, o ex-dirigente afirmou que as acusações do DOJ contra ele eram “perseguição” por ele ter votado no Catar e não nos EUA, que também queria ter sido sede da Copa de 2022.

O ex-presidente da Conmebol, Nicolas Leoz (morto no ano passado) e o ex-presidente da AFA, Julio Grondona (morto em 2014) também foram acusados de trocar seus votos no Catar por dinheiro. O DOJ acusa ainda o ex-presidente da Concacaf , Jack Warner, de ter recebido US$ 5 milhões para ter votado na Rússia como sede da Copa de 2022.

É a primeira vez que Teixeira recebe uma acusação formal de suborno no processo de votação para eleger a sede da Copa do Mundo de 2022, feita em 2010. O nome do ex-dirigente brasileiro já havia sido citado em denúncias feitas pela revista “World Soccer” e pelo jornal “Folha de São Paulo”.

O ex-presidente da CBF também é citado no relatório de Michael Garcia, investigador independente responsável por analisar o processo de votação dos Mundiais de 2018 e 2022. O documento aponta que um total de US$ 2 milhões teriam sido pagos à filha de 10 anos, à época, de um membro da Fifa antes da escolha do Catar. Tal dirigente seria Teixeira.

O relatório Garcia, como ficou conhecido, também apontou que Teixeira recebeu tratamento “top vip” e se hospedou por quatro noites na suíte presidencial do hotel Four Seasons, em Doha, ao custo diário de US$ 5.490 durante um amistoso entre Brasil e Argentina em 2010. O valor foi 18 vezes maior aos quartos destinados aos jogadores.

Teixeira está entre os acusados da justiça norte-americana desde o início do “Caso Fifa”, em 2015. Ele foi denunciado também por receber suborno por contratos ligados a competições da Conmebol e da CBF.

Ele também foi acusado de receber propina pelo contrato de patrocínio estabelecido pela entidade em 1996 com uma empresa americano de material esportivo (a Nike). No caso desse contrato, a acusação é que Teixeira recebeu cerca de 20 milhões de dólares de propina (metade da comissão que a Traffic, empresa de marketing, teria direito).

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...