Editorial: comemorar derrota de trabalhador é um ato vergonhoso

Essa briga entre a gestão Marilete Vitorino ( PSD)  e Sindicato da Educação sobre o pagamento do abono salarial, na qual a gestora  conseguiu  sair “vitoriosa” com a manutenção do veto do executivo sobre emenda do vereador de oposição Lauro Benigno, não é bom para nenhum dos lados, principalmente para os  servidores que  foram os principais derrotados na briga política. 

A  emenda em questão,   modificava o PL do abono do executivo aos servidores da educação. Como a prefeitura não concedeu  aumento salarial durante a data base , ficou acordado que seria  pago um abono no final de ano, de mil reais aos professores e 500 reais aos funcionários de apoio, e dependendo da disponibilidade  financeira da pasta educacional  poderia ser discutido um valor a mais. Como há servidores que tem dois contratos , o vereador apreenetou uma emenda pela qual o valor seria pago por contrato e não apenas por pessoa. A prefeita vetou. E o veto vou para ser apreciado e foi  mantido. 

O resultou foi comemorado efusivamente  pelo grupo político da gestão,  porque derrotou em tese o vereador Lauro Benigno ( PCdoB) e presidente do sindicato que defende a entidade, com o apoio inclusive de vereadores petistas e do PCdoB, leia-se Carlos Tadeu ( que espera a brecha eleitoral para mudar de sigla).

Embora tenha sido um embate político entre Marilete e Lauro, possível adversário da mandatária em 2020, a manutenção de um veto que tira a possibilidade de ganho financeiro dos servidores não tem nada para ser comemorado. Pois derrotar servidor não é algo bonito, principalmente quando estamos falando de educadores. Que deveria receber  o maior salário do país. 

Além disso, gestão competente não paga abono, encontra uma forma de incorporar esse recurso no salário do servidor. Abono é uma coisa anual, salário incorporado permanece até quando o trabalhador se aposenta. 

Não discuto o mérito político da questão, mas que comemorar a manutenção de um veto que em tese significa menos dinheiro aos servidores, é um ato vergonhoso, pelo menos para mim é. 

Por Leandro Matthaus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *