segunda-feira, setembro 21, 2020

Editorial: comemorar derrota de trabalhador é um ato vergonhoso

Essa briga entre a gestão Marilete Vitorino ( PSD)  e Sindicato da Educação sobre o pagamento do abono salarial, na qual a gestora  conseguiu  sair “vitoriosa” com a manutenção do veto do executivo sobre emenda do vereador de oposição Lauro Benigno, não é bom para nenhum dos lados, principalmente para os  servidores que  foram os principais derrotados na briga política. 

A  emenda em questão,   modificava o PL do abono do executivo aos servidores da educação. Como a prefeitura não concedeu  aumento salarial durante a data base , ficou acordado que seria  pago um abono no final de ano, de mil reais aos professores e 500 reais aos funcionários de apoio, e dependendo da disponibilidade  financeira da pasta educacional  poderia ser discutido um valor a mais. Como há servidores que tem dois contratos , o vereador apreenetou uma emenda pela qual o valor seria pago por contrato e não apenas por pessoa. A prefeita vetou. E o veto vou para ser apreciado e foi  mantido. 

O resultou foi comemorado efusivamente  pelo grupo político da gestão,  porque derrotou em tese o vereador Lauro Benigno ( PCdoB) e presidente do sindicato que defende a entidade, com o apoio inclusive de vereadores petistas e do PCdoB, leia-se Carlos Tadeu ( que espera a brecha eleitoral para mudar de sigla).

Embora tenha sido um embate político entre Marilete e Lauro, possível adversário da mandatária em 2020, a manutenção de um veto que tira a possibilidade de ganho financeiro dos servidores não tem nada para ser comemorado. Pois derrotar servidor não é algo bonito, principalmente quando estamos falando de educadores. Que deveria receber  o maior salário do país. 

Além disso, gestão competente não paga abono, encontra uma forma de incorporar esse recurso no salário do servidor. Abono é uma coisa anual, salário incorporado permanece até quando o trabalhador se aposenta. 

Não discuto o mérito político da questão, mas que comemorar a manutenção de um veto que em tese significa menos dinheiro aos servidores, é um ato vergonhoso, pelo menos para mim é. 

Por Leandro Matthaus

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...