Natex volta a fornecer preservativos para o Ministério da Saúde

 Por Raimari Cardoso  , Agência Ac 

Fábrica de Preservativos de Xapuri é agora gerenciada pela iniciativa privada por meio de parceria com o governo

A Natex enviou, nesta terça-feira, 22, duas cargas de preservativos masculinos com destino a Rio Branco. As remessas que totalizam 500 mil camisinhas fazem parte do contrato existente entre a Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) e o Ministério da Saúde e são destinadas, exclusivamente, à distribuição nas unidades de saúde da capital acreana. Para os municípios do interior, a grade de expedição prevê uma remessa de 1,2 milhão de preservativos, que será realizada nos próximos dias.

A fábrica de Xapuri voltou a operacionalizar depois de firmar contrato de prestação de serviço com a Funtac, para a fabricação, embalagem e expedição de preservativos masculinos de borracha natural para o Ministério da Saúde. A retomada das atividades da Natex ocorrem depois de esforços do atual governo para que a Indústria de Produtos de Látex da Amazônia, nova gestora do empreendimento, por meio de parceria público-privada, pudesse receber do Ministério da Saúde os pagamentos pela produção.

Com a assinatura do contrato com a autarquia, que tem o valor global de mais de R$ 9 milhões, a Natex retoma a meta de produzir 48 milhões de preservativos ao mês. O atual contrato da Funtac com o MS prevê o fornecimento de 32 milhões de preservativos ao governo federal, dos quais 14 milhões já foram entregues. Atualmente, a indústria conta com cerca de 90 funcionários registrados no seu setor de recursos humanos, mas esse número deverá subir para a casa dos 120 com a ativação de todos os setores da fábrica, o que vai ocorrer neste mês de novembro.

A retomada de todos os processos da fábrica de preservativos trará novidades positivas para Xapuri, segundo informa o presidente da Produtos de Látex da Amazônia, Émerson Feitosa. Uma delas será a compra do látex, diretamente do seringueiro, com pagamento à vista. Outra boa notícia é a vinda da arrecadação dos tributos referentes à produção da indústria para o município, que antes beneficiava Rio Branco. Isso ocorria porque todos os processos, da produção à expedição, eram geridos pela Funtac, que tem sede na capital. Xapuri detinha apenas a planta fabril da Natex.

“Todos os funcionários que estão registrados na indústria fazem parte do quadro que trabalhava com a Natex. Nós fizemos questão também de que os nossos prestadores de serviços referentes à alimentação, transporte e outros, recolhessem o Imposto Sobre Serviços (ISS) na cidade. Além do fato de sermos obrigados, por contrato, a comprar o látex dos produtores do município”, explicou o presidente da indústria.

Durante todo o período em que esteve em funcionamento, desde a sua criação em 2006, a Fábrica de Preservativos de Xapuri foi a segunda maior empregadora do município, ficando atrás apenas da folha de pagamento da prefeitura. O empreendimento chegou a empregar 170 funcionários de maneira direta e gerar mais de 500 empregos indiretos, segundo dados da Funtac.

A produção da indústria sempre foi absorvida pelo Ministério da Saúde, que a destina aos programas de combate às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). Com cerca de 700 famílias cadastradas, a fábrica foi criada com investimentos conjuntos dos governos federal e estadual, em 4 de setembro de 2006, e sua implantação custou R$ 31 milhões aos cofres públicos.

Linha comercial

A Indústria de Produtos de Látex da Amazônia não pretende restringir a sua produção ao compromisso com o Ministério da Saúde. A empresa já está com o plano de negócios pronto para o lançamento de sua marca comercial, que está com processo de registro em andamento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *