Jordão: Indígena de 95 anos garante aposentadoria como soldado da borracha; advogada Laiza dos Anjos já obteve seis vitórias na justiça em favor de cidadãos de origem indígena

O escritório  Camilo Advocacia, da Dra. Laiza dos Anjos Camilo, em parceria, com a também jurista Natana Jales conseguiu mais uma vitória na justiça favorável a um indígena que cortou seringa durante a Segunda Guerra Mundial.

Com a sentença favorável, Laiza chega a sexta vitória   em favor de um  índio no tocante à aposentadoria como soldado da borracha. 

O pagamento desse benefício geralmente é destinado apenas  aos nordestinos que  vieram para a floresta amazônica na qualidade de soldado da borracha, na década de 40 do século passado. 

Camilo Advocacia é um dos poucos escritório que trabalha na área da previdência social e trabalhista a conseguir esses êxitos junto ao judiciário. 

Além de garantir a aposentadoria, o juíz também determinou o pagamento da indenização de 25 mil reais que fizeram jus os soldados da borracha no projeto de lei aprovado no Congresso Nacional. 

Para a advogada Laiza do Anjos, “é maravilhoso ver o trabalho dando resultado e o cliente tendo seus direitos garantidos”. 

Laiza Camilo também fez questão de agradecer a colega Natana pela parceria vitoriosa. Na qual, os processos judiciais previdenciários que ambas tem advogados juntas,   obtiveram êxito.  ” Agradeço  Natana pela  parceria vitoriosa. Isso mostra o compromisso dela com o cliente e isso é importante, pois nosso objetivo maior é ver os clientes  satisfeitos”. 

Confira a reportagem do site do TJAC

O juíz também garantiu ao idoso o direito a indenização de R$ 25 mil, concedida a todos os seringueiros que trabalharam durante a 2ª Guerra Mundial.

Um indígena de 95 anos de idade conseguiu junto ao Juízo da Vara Cível da Comarca de Tarauacá, o direito em receber a pensão especial vitalícia de soldado da borracha no valor de dois salários mínimos. O autor também deve ganhar a indenização de R$ 25 mil, devida a todos os seringueiros que atuaram na extração do látex durante a 2ª Guerra Mundial.

A sentença está publicada na edição n°6.442 do Diário da Justiça Eletrônico,  e é de autoria do juiz de Direito Guilherme Fraga. O magistrado determinou que a Autarquia Federal implante o benefício no prazo máximo de 30 dias, sob pena de multa diária no valor de R$ 500.

Fundamentação da sentença

O juiz de Direito explicou que o benefício foi instituído para reconhecer os serviços prestados pelos seringueiros durante 2ª Guerra Mundial. “Por força da Lei nº 12.447/2011, é que os seringueiros conhecidos como Soldado da Borracha são vistos hoje como Heróis da Pátria e que o legislador constituinte de 1988 pretendeu reparar, ainda que em nítido atraso, mediante o reconhecimento do direito à pensão mensal vitalícia de seringueiro”.

Analisando os documentos dos autos, o magistrado verificou que foi comprovado que o indígena “(…) exerceu a atividade de extração de seringa durante o período da Segunda Guerra Mundial ainda na tenra idade, pois esta era a única atividade econômica da época e, certamente tinha dentre suas tarefas ajudar a família na extração do látex, conforme depoimentos colhidos em audiência”.

A Autarquia ainda argumentou que o indígena recebe aposentadoria por idade, e por isso, não pode acumular a renda mensal com outro benefício. Contudo, o magistrado esclareceu ser possível conceder as duas, pois a pensão de soldado da borracha é regida por um regime jurídico diferente do previdenciário.

“As normas que disciplinam a pensão mensal vitalícia de seringueiro, compõem um microsistema jurídico diverso daqueles tratados para os benefícios previdenciários e para a assistência social, financiados por toda a coletividade. (…) Não há, seja no artigo 54 do ADCT, seja na Lei 7.896/1989, qualquer regra vedatória à percepção cumulativa entre os benefícios em foco (pensão especial de seringueiro e aposentadoria por idade)”, anotou o juiz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *