quarta-feira, setembro 23, 2020

Plano para tirar Gladson Cameli da reeleição e Major Rocha do caminho majoritário segue a todo vapor no Vale do Juruá

Além de Sérgio Petecão, outros com ambições para o pleito – Roberto Duarte, Ilderlei Cordeiro – já tentaram delimitar espaço na próxima corrida ao Palácio Rio Branco. Mas, nenhuma ação foi tão sintomática como a estratégia de tirar o atual vice-governador Major Rocha da linha sucessória.

“Os partidos políticos existem para alcançar o poder”. A frase dita por Ulisses Guimarães, em 1971, casa perfeitamente ao momento político vivido no Acre onde, a aliança de 11 partidos que ajudaram o atual projeto de governo, ameaça se desfazer em torno de um projeto alternativo de poder com vistas às eleições de 2022.

Embora neguem até a morte, dissidentes do PSD, não contemplados na atual estrutura do Palácio Rio Branco e um grupo supostamente do prefeito Ilderlei Cordeiro, estão no centro da trama. Clãs distintos do MDB liderados por Roberto Duarte e Vagner Sales teriam demonstrado interesses nas estratégias, assim como o ex-presidente do Progressistas, deputado estadual José Bestene. Este último, incomodado com a importação da secretária de saúde Mônica Feres de Brasília e a exoneração de cargos indicados por ele na estrutura administrativa. A caída de Lúcio Brasil da Fundação Hospitalar do Acre teria sido a gota d’água para Bestene aderir ao fogo amigo.

A ideia ousada que vem sendo debatida é turbinar a pré-candidatura do atual governador Gladson Cameli ao Senado em 2022 e isolar o vice-governador Major Rocha da chapa majoritária. O tucano é visto como uma pedra no sapato de velhos caciques.

Neste cenário, Sérgio Petecão (PSD) seria o cabeça de chapa com uma dobradinha com os Progressistas. Em tese, o projeto teria os maiores partidos unidos: PSD, Progressistas e MDB. “Conversas nesse sentido vêm sendo fortalecidas nos municípios e foram debatidas durante a Expoacre Juruá” disse um vereador que pediu para não ter seu nome revelado.

O influente vereador foi um dos convidados a debater a chamada alternativa política 2022, em que a ordem, segundo ele, é enfraquecer o vice-governador. O que mais incomoda alguns “aliados” é a postura de fidelidade do Major Rocha ao Palácio Rio Branco. O alinhamento politico entre Rocha e Cameli não estava nos planos dos caciques que contavam com uma briga precoce entre as duas maiores lideranças do estado.

De acordo com o que a reportagem apurou, Rocha já teria sido alertado por assessores sobre o enredo, mas, tinha conhecimento apenas de planos para tirar Gladson Cameli da disputa de governo. Antes de viajar para uma agenda internacional, no Peru, o próprio vice-governador foi convidado através de um telefonema disparado de Cruzeiro do Sul, para participar de uma conversa política com vistas ao projeto político de 2022.

O assunto foi levado imediatamente ao conhecimento do governador Gladson Cameli pelo vice-governador durante reunião a portas fechadas que aconteceu no Palácio Rio Branco. Cameli teria autorizado Rocha participar do debate, em ato seguinte, passou a anunciar sua pré-candidatura à reeleição. Antes de participar do Novenário de Nossa Senhora da Glória, o governador chegou a afirmar que pensa em deixar o partido que o levou ao poder.

A leitura feita pelos algozes do vice-governador é simples, com Gladson Cameli concorrendo à reeleição, o apoio do Palácio Rio Branco à pré-candidatura de Major Rocha ao Senado é uma tendência. Há quem afirme que o acordo já foi selado.

O nome da deputada federal Jéssica Sales (MDB), lançado ao Senado pelo pai, Vagner Sales teria sido o primeiro contra-ataque do grupo que trama a derrubada do Major. No PSD, o assunto vem sendo deliberado pelo senador Sergio Petecão que passou a não esconder o sonho que ele diz ser de qualquer político, de governar o seu estado. A ausência do primeiro secretário do Senado nas agendas do Palácio Rio Branco chama atenção. Petecão tem se dedicado a uma agenda nos rios e seringais mais isolados na região do Juruá.

Rocha vai instalar um gabinete institucional na cidade de Cruzeiro do Sul reforçando, com aval do governador, sua atuação política na região. A inauguração do espaço está prevista para acontecer até o dia 28, data de aniversário da cidade. Assessores do Palácio e do gabinete do vice-governador negam que a sala institucional seja uma ofensiva para barrar os planos nascidos na terra da farinha.

Ac24horas.com

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...