sexta-feira, julho 10, 2020

Justiça declara o Cais do Porto em Cruzeiro do Sul como patrimônio histórico acreano

A obrigação de proceder ao tombamento e a restauração foram estabelecidas na decisão prolatada.

O Juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Cruzeiro do Sul julgou procedente o pedido formulado na Ação Civil Pública n° 0006179-57.2011.8.01.0002, a fim de declarar o valor histórico do imóvel conhecido como “Cais do Porto”, localizado no referido município. A decisão foi publicada na edição n° 6.304 do Diário da Justiça Eletrônico (pág. 83).

A partir da decisão, o Estado do Acre e a Fundação da Cultura e Comunicação Elias Mansur têm a obrigação de promover a inscrição do bem no livro do Tombo Histórico, bem como proceder à averbação na matrícula do imóvel, no prazo de 15 dias. Em razão do reconhecimento, o Ente Público deve abster de promover qualquer alteração, demolição ou descaracterização do local.

No documento, o juiz de Direito Hugo Torquato, titular da unidade judiciária, estabeleceu que os demandados devem elaborar projeto técnico para restauração do imóvel, começar a executá-lo no prazo de seis meses e concluir a obra em até um ano. Foi fixada multa de R$ 1 milhão para a hipótese de descumprimento das obrigações impostas.

Patrimônio acreano

De acordo com tradição local, a cidade de Cruzeiro do Sul começou pelo Cais do Porto, no século XIX. Era neste local que as embarcações atracavam para descarregar suas mercadorias e abastecer a cidade, principalmente as provenientes de Manaus e Belém.

A primeira estação de passageiros do Juruá continua com sua estrutura original, semelhante a uma estação férrea. A obra foi construída com arquitetura em estilo colonial inglês, é composta por um arco moldado, que possui uma gravação com o nome do intendente da época.

Segundo os registros, teria sido projetada e construída sob a orientação do Capitão Rego Barros, tendo como auxiliar o Tenente Tomé Rodrigues, da Companhia Regional. Foi inaugurada dia 7 de setembro de 1912, em pleno Ciclo da Borracha.

As vistorias e inspeção judicial esclareceram que devido à alteração natural do curso do rio ao longo do tempo, atualmente, o cais fica distante da margem fluvial, não sendo mais possível a atracação de barcos na proximidade, sendo caracterizado com uma praça pública.

O Ministério Público do Acre apontou nos autos do processo que o bem se encontra em deplorável estado de conservação e com risco de ruína, o que demonstra descaso com o patrimônio.

Deste modo, a Justiça acreana defendeu a importância do monumento, já que se trata de uma das poucas construções históricas remanescentes. A decisão prolatada tem a missão de proteger o Cais do Porto, edificação que revela o passado cruzeirense e parte da formação acreana.

Fonte: TJ-AC.

Leandro Matthaus
Leandro Matthaus é graduado em Letras Português pela UFAC, radialista e narrador esportivo. Atuou nos sites Acrenoticias.com, Blog do Kaká, Tarauacá Agora, foi assessor de comunicação da Prefeitura de Tarauacá. No rádio, tem passagens pelas Rádio Nova Era FM 87,9 e Jordão FM 88.5 Cultural. Tem um programa na Rádio Juruá FM 100,9 (Programa Mistura Fina). Além de ser Vascaíno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Coluna Diva: Lenilda Farias, a exuberância da mulher da terra do abacaxi

Confesso que estava morrendo de saudades de escrever sobre as belas mulheres e descrever a perfeição das curvas de seus corpos e, claro, falar...