sexta-feira, agosto 7, 2020

Conscientização ainda é o maior desafio para o combate ao HIV

A Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituíram o 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta conta a Aids.

Neste dia e no decorrer do mês, o mundo inteiro intensifica as discussões sobre o vírus e a doença. É exatamente isso que você está lendo. São coisas diferentes. Ser portador do HIV não significa, necessariamente, ter Aids.

Nelson Guedes, gerente da Divisão de Infecções Sexualmente Transmissíveis/Aids da Sesacre, deixa mais fácil o entendimento dessa diferença. “Ter HIV significa que o indivíduo é portador do vírus. Já Aids é quando a pessoa manifesta sintomas decorrentes da presença desse vírus em seu organismo. Ou seja, é possível ser infectado pelo vírus e não manifestar a doença”, explica.

Aliás, isso hoje em dia é muito comum e apontado pelos especialistas como um dos principais motivos para o aumento dos casos de pessoas portadores de HIV no Acre.

Com o avanço dos remédios, os chamados coquetéis, é comum que as pessoas vivam com o HIV durante muitos anos sem apresentar nenhum sintoma. “Isso é muito bom, lógico. Afinal, estamos falando de qualidade de vida. Diferentemente de décadas atrás, quando a pessoa, ao descobrir que tinha o HIV, era como receber seu atestado de óbito. Em compensação, como morre menos gente, as pessoas estão se prevenindo menos, deixando de usar o preservativo, o único método eficaz de evitar o contágio durante uma relação sexual”, afirma Guedes.

Os números comprovam a afirmação do profissional da Sesacre. Os casos de HIV cresceram no estado 25% entre 2016 e 2017, saltando de 128 para 160 registros. Este ano, até o início de outubro, já haviam sido notificados 131 novos casos.

O primeiro registro de Aids no Acre é de 1987, quando foram oficialmente comprovados os primeiros casos no estado. Nesses 31 anos, já foram registrados 1.055 casos da doença. O número de mortes no Acre soma 56 desde 2014, sendo seis já em 2018.

“O que queremos intensificar neste mês, apesar de que fazemos isso o ano todo, é mostrar para as pessoas que o HIV continua infectando e a Aids, matando no Acre. Os números cresceram entre os jovens, e a nossa preocupação é que percebemos que a população está se cuidando menos. Podemos afirmar, sem dúvida alguma, que conscientizar as pessoas sobre a importância do sexo seguro ainda é o nosso maior desafio”, esclarece Guedes.

Assessoria Sesacre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...