Qual o limite da ingratidão petista?

A notícia de uma possível candidatura a deputado estadual  do ex-prefeito de Tarauacá, Rodrigo Damasceno (PT), trouxe à tona novamente uma palavra já bastante conhecida em relação ao PT: “ingratidão”. 
E essa ingratidão não se limita apenas aos postulantes a ALEAC que apoiaram o PT nas últimas eleições, mas também o próprio Rodrigo, como, por exemplo, Jenilson Leite que junto com a militância comunista sempre lhe deram apoio, apesar que durante quatro anos de governo do petista a maioria da militância da foiça não teve voz, nem direito na gestão dele. 
A atitude do ex-prefeito é vista como ingratidão com todos aqueles que lhe deram apoio. Nenhum candidato fora da órbita petista esperava seu apoio, contudo, que ele não fosse às urnas dividir os votos da FPA com os filhos de Tarauacá. 
A maioria dos petistas têm no DNA essa ingratidão com os seus aliados. O que resta saber  qual é o limite da ingratidão petista. 
Por Leandro Matthaus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *