sexta-feira, janeiro 15, 2021

FEIJÓ: A pedido do MPAC, Justiça determina afastamento de chefe do IMAC no município

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio do promotor de Justiça Fernando Régis Cembranel, ajuizou uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa com pedido de liminar em desfavor de Luciano Ferreira Muniz, chefe do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), no município de Feijó.

A investigação, que culminou com a segunda fase da Operação Midas, revelou que o requerido atuou junto ao órgão ambiental, em Rio Branco, para favorecer o então presidente da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb), Jackson Marinheiro Pereira.

No dia 18 deste mês, o juiz Alex Ferreira Oivane, titular da Vara Cível da Comarca de Feijó, deferiu o pedido e determinou, liminarmente, o afastamento de Luciano Ferreira.

A investigação

No ano passado, o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) instaurou um procedimento investigatório criminal para apurar desvio de recursos públicos na Emurb.

No decorrer da investigação, diligências feitas pelo Núcleo de Apoio Técnico (NAT), órgão auxiliar do MPAC, resultaram na identificação de bens e direitos de titularidade do então presidente da autarquia, inclusive a posse da fazenda denominada Nova Esperança, localizada no Km 10 da BR 364, sentido Feijó/Rio Branco.

Pessoas ouvidas revelaram a abertura de uma estrada, no final do ano de 2015, para ligar a Fazenda Esperança a outra, também de propriedade do Jackson, mediante a utilização de trator de esteira e destruição de floresta nativa, o que configura crime ambiental.

No entanto, no relatório de vistoria técnica feita por equipe de Rio Branco e acompanhada pelo representante do Imac local, não há registro de qualquer irregularidade, mesmo tendo sido destruído 0,4 hectares de floresta em área de reserva legal.

A decisão

O juiz Alex Ferreira Oivane destacou que há indícios de que Luciano Ferreira Muniz estaria favorecendo terceiros de forma irregular, afrontando os princípios da administração pública, violando os deveres de lealdade, honestidade, imparcialidade e legalidade que regem as instituições.

Para o magistrado, diante de todas as provas apresentadas pelo Ministério Público, o afastamento do requerido era uma medida necessária e oportuna para que os fatos, que ele considerou graves, fossem apurados e para que a instrução processual possa ocorrer sem interferência.

“Assim, como medida preventiva e protetiva para a investigação da veracidade das eventuais condutas ímprobos do agente, subsiste o afastamento do servidor de sua função Chefe do Núcleo do Envira do Instituto do Meio Ambiente do Acre, pois sua permanência em exercício poderá prejudicar a instrução processual”, explica em sua decisão.

Fonte: Agência de Notícias do MPAC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

TARAUACÁ: 104 ANOS DE UM BELA HISTÓRIA

Por Isaac Melo (Blog Alma Acreana) BREVE HISTÓRICO - O século XIX é um século de grandes explorações na Amazônia. Surgem as famosas expedições de...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Órgãos federal e estadual recorrem de decisão que impede melhorias no Mais Médicos no Acre

O Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Acre (MP/AC) e a Defensoria Pública da União (DPU), entraram com recurso contra decisão da Justiça...