quinta-feira, outubro 1, 2020

Jorge Viana critica reforma trabalhista

Senador chama proposta de “Frankenstein” e aponta que Temer não tem condições de levar o país adiante. “O governo acabou e estamos vivendo uma situação grave”, alerta

O senador Jorge Viana (PT-AC) criticou duramente, nesta quinta-feira, 6 de julho, a reforma trabalhista, considerada um retrocesso para o país, porque retira direitos dos trabalhadores, impõe regras atrasadas na relação capital e trabalho, sacrifica ainda mais a população, que já enfrenta desemprego em massa, com 14 milhões de pessoas sem carteira de trabalho. Ele chamou o projeto de “frankenstein”.

A proposta altera mais de 200 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e deve ser votado na próxima semana no Senado. “A reforma não só não vai criar mais empregos, como vai diminuir a arrecadação da previdência”, criticou. “Isso significa que vai embora o 13º salário, que vaiembora uma série de direitos, para falar o mínimo”.

“Mais importante do que tirar direito e fazer essa reforma troncha, em que o Senado não pode falar nada e não pode fazer nada, seria fazermos aqui a nova lei das telecomunicações, trabalhar a nova internet”, disse o parlamentar. “Isso faria o Brasil ficar no século 21 e se preparar para a concorrência planetária, gerando emprego e mudando o perfil da força de trabalho brasileira”.

O senador alertou que a situação política e econômica do país chegou a um ponto crítico. Na avaliação de Viana, o presidente Michel Temer não tem condições de levar adiante as reformas. É que a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção está minando o apoio dos poucos setores simpáticos ao Palácio do Planalto.

“Eu acho que, diante desse ambiente, sinceramente, não é possível que não se entenda que nós estamos vivendo um momento econômico e político muito ruim para o país, com 14 milhões de desempregados, com a indústria quebrando, com a falta de esperança e de confiança”, advertiu”. Neste momento, nós fazermos uma reforma como essa, que tira direito daqueles que mais dão duro neste país, não é justo”.

Jorge Viana comentou que, no Congresso, há um quase consenso de que o governo Temer acabou. “É um consenso silencioso. Ninguém fala ou pouca gente fala, mas, nas conversas, isso virou um consenso”, comentou. Ele avalia que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia – “um dos apoiadores do golpe e que é o Temer do Temer” –, resolveu ser presidente da República, , com apoio de setores da imprensa.

“Temer fez escola. Chegou à Presidência sem voto, por um atalho, num impeachment sem crime de responsabilidade, um golpe. Agora, ele encontrou o Temer dele”, ironizou. Viana comentou que, apesar da reação do presidente à denúncia de Janot, Temer não tem como negar os fatos ocorridos. “Houve ou não houve a conversa do Joesley com o presidente Michel Temer no porão do Palácio Jaburu? Houve. Houve ou não houve o mais importante assessor, o homem de confiança do presidente Michel Temer correndo nas ruas de São Paulo com uma mala com R$500 mil? Houve – filmado e acompanhado pela Polícia Federal”, listou.

“Ora, o Dr. Rodrigo Janot falou que teve um embrulho no estômago, que teve náuseas quando ouviu a gravação da conversa entre o presidente da República e o empresário que estava assumindo naquele momento crimes que tinha cometido. É uma situação muito grave”, disse. “Imaginem como o presidente da República Federativa do Brasil vai chegar ao G20. Vai ter que andar pelos cantos, às escondidas, para não ser visto pela imprensa internacional, porque a única pergunta que farão a ele certamente será: como é ser o primeiro presidente da República da história do Brasil a ser processado no cargo?”

Segundo o senador, nunca o país viveu uma situação grave e vexatória. “Não chega a Polícia Federal não poder emitir passaporte e a Polícia Rodoviária Federal ter que tirar os carros da rua por falta de gasolina! E nós estamos aqui hoje lutando por eleições diretas. Que democracia é esta em que estamos vivendo tempos em que temos que lutar pelo direito de votar, de valorizar o voto do cidadão?”, questionou. “Não há saída se não for pelo voto na democracia. Essa tentativa de um segundo golpe é um outro desastre para o nosso país. Já estão arquitetando um segundo golpe, o golpe no golpe. Quem está pagando a conta são os trabalhadores, quem está pagando a conta é a economia do Brasil, são os que sofrem em todos os estados, inclusive o meu, que é o Acre”.

(ASSESSORIA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...