quinta-feira, outubro 1, 2020

Jorge Viana celebra rejeição da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais

Parlamentar diz que a crise política vem se agravando, o governo está acuado por denúncias e o Senado não pode simplesmente assinar embaixo da proposta que muda a CLT. “A proposta está dividindo o país, a maioria da população está se sentindo ameaçada”, critica .

O senador Jorge Viana (PT-AC) comemorou a decisão da Comissão de Assuntos Sociais de rejeitar, por 10 votos contra 9, o projeto de reforma trabalhista. “Este é um alerta e uma importante vitória para todos nós, que lutamos contra este projeto que representa o maior desmonte dos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras deste país”, disse. “A proposta está dividindo o país, a maioria da população está se sentindo ameaçada”, criticou. O relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) foi rejeitado, sendo apreciado o voto em separado de Paulo Paim (PT-RS), aprovado em votação simbólica. O parecer segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

O parlamentar fez um apelo: o Senado tem de parar a apreciação do projeto, advertindo que falta legitimidade ao governo Temer, envolvido em denúncias na Justiça. “Não vamos ser subservientes a um governo que é sinônimo hoje de corrupção”, afirmou, lembrando que as acusações foram apresentadas pelo Ministério Público Federal ao Supremo Tribunal Federal.

“A reforma trabalhista chegou com sete artigos no Congresso e ganhou mais de 100 modificações na Câmara dos Deputados. Agora, o governo e sua base de apoio tentam impor ao Senado Federal uma matéria complexa, que mexe com a vida dos brasileiros e brasileiras do presente e do futuro, sem nenhuma modificação. Isso é vexatório. Estamos vivendo um autoritarismo onde se impõe a retirada de direitos tão fundamentais”, declarou.

Jorge Viana alertou para o aprofundamento da crise institucional brasileira e que o Senado não pode se transformar em um carimbador de propostas aprovadas pela Câmara. “Acho uma vergonha o Senado Federal ficar assinando embaixo dessa reforma e abrindo mão de sua prerrogativa de instituição mais antiga da República – 190 anos”, disse.

Para dar celeridade ao projeto, que muda 200 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o governo definiu como estratégia que o Senado mantenha o texto da reforma trabalhista já aprovado pelos deputados. “Nós não podemos transformar o Senado Federal no que ele está sendo transformado. Não é possível”, advertiu. “O presidente (Michel Temer), hoje, está se escondendo na Rússia”. Viana fez um apelo para que a comissão rejeitasse o projeto, que mexe com o futuro das crianças e dos trabalhadores.

“Defendo uma reforma que possa desburocratizar e facilitar a vida de quem quer gerar emprego e renda, mas não da forma como está sendo feita. Nós estamos aqui a mando de um mercado, a mando de um governo sem nenhuma legitimidade querendo fazer uma reforma que leva o Brasil para o século 19, que atrasa o Brasil, que vai na contramão de um Brasil que todos nós queremos, um Brasil evoluído”, disse. “Temos um presidente da República que virou caso de polícia, e o Senado Federal não tem a coragem de ajudar o povo brasileiro a vencer esse tempo de dificuldade”.

(Assessoria)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...