domingo, setembro 20, 2020

Absolvição da chapa Dilma/Temer: o Brasil não pode se curvar a este prêmio dado à política corrupta

Nós, da Rede Sustentabilidade, estamos inconformados, assim como milhões de brasileiros e brasileiras, com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral de absolver a chapa Dilma/Temer, mesmo diante das extensas e cabais provas de culpa expostas pelo relator ministro Herman Benjamin e depois ratificadas e aceitas pelos ministros Luiz Fux e Rosa Weber. Não nos insurgimos contra o direito do voto de cada um dos ministros, mas nos declaramos perplexos pela fragilidade e insustentabilidade – em certos momentos chegando ao grotesco – dos argumentos desfiados por aqueles que, ao arrepio das evidências, votam contra a sociedade e em favor daqueles que, em 2014, transformaram as eleições presidenciais em palco de fraude, corrupção, abuso de poder. Fraude esta movida a propina debitada na conta do povo brasileiro.
Mas a roda da História continua e também a luta por um país renovado, livre do lixo político que hoje esperneia para permanecer onde está e proteger seu interesse privado e grupal como se fosse o de todos nós. A decisão foi tomada pela maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral. Porém, ela não é o capítulo final. De nossa parte, recorreremos a todas as instâncias e de todas as formas legais para que a verdade seja contemplada e a vitória da burla não fique como legado deste período difícil e crítico que vivemos.
Cabe, ainda, reconhecer o esforço, a competência e a brilhante acusação feita pelo ministro Herman Benjamin, cuja carreira tem passagem importante e reconhecida na área do Direito Ambiental. Nesses dias, no TSE, manteve-se na sua linha consistente de argumentação, suportando ataques, deboches, artimanhas feitas para desestabilizá-lo, sem êxito. A denúncia inatacável do sub-procurador Nicolau Dino e as falas fundamentadas e contundentes dos ministros Fux e Rosa Weber que corroboraram a posição do relator, deram à cassação da chapa o caráter que ela deveria efetivamente ter: o imperativo da Justiça, da coisa justa, diante do atentado cometido contra a democracia e o Estado de direito nas eleições de 2014.
O Brasil não pode se curvar a este prêmio dado à política corrupta, ilegal, antiética, enganadora, brutal, que mata o futuro do país e trava qualquer esforço de mudança no caminho de uma Democracia enfim plena.
Executiva Nacional – REDE Sustentabilidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...