quinta-feira, setembro 24, 2020

TARAUACÁ: Homem é condenado a quatro anos de reclusão por incendiar residência no Bairro do Triângulo

Decisão aponta que houve culpabilidade e reprovação social por parte do acusado, que teria ateado fogo para intimidar a vítima e obrigá-la a vender a casa.

O Juízo da Vara Única da Comarca de Tarauacá julgou procedente a denúncia do Processo n° 0002351-75.2015.8.01.0014, em face de F.V.S., atribuindo-lhe a prática de ameaça e incêndio criminoso, condutas descritas nos artigos 250, §1º, II, alínea “a” e 147 do Código Penal.

A decisão, publicada na edição n° 5.894 do Diário da Justiça Eletrônico (fl. 92) da última segunda-feira (5), é assinada pela juíza de Direito substituta Ana Paula Saboya, que estava respondendo pela unidade judiciária.

O réu foi condenado a pena de quatro anos de reclusão, dois meses e 15 dias de detenção, em regime inicialmente semiaberto, bem como 180 dias-multa, sendo cada uma equivalente a 1/30 um do salário-mínimo.

Entenda o caso

A peça acusatória narra que o denunciado ateou fogo em dois colchões e várias peças de roupa da vítima, expondo a perigo a vida da mulher e a integridade física de terceiros, bem como dano ao patrimônio.  O incêndio ocorreu à luz do dia na residência que é situada no bairro Triângulo.

O fogo chegou a subir pelas paredes, porém foi controlado pelo Corpo de Bombeiros. O réu é irmão da vítima, e também ameaçou com palavras um dos policiais militares envolvido na ocorrência.

Decisão

Ao analisar a demanda criminal, a juíza de Direito substituta avaliou que não há qualquer dúvida sobre a culpabilidade, nem sobre a reprovação social que o crime e o autor do fato merecem.

Restou comprovado que o réu colocou fogo para intimidar a vítima e obrigá-la a vender a casa. Desta forma, a magistrada não acolheu a tese da defesa que teria sido culposo, em decorrência do uso de bebida alcoólica e drogas.

A dosimetria anotou a existência de antecedentes criminais e com ele o agravante de reincidência. Outro agravante foi ser crime cometido contra irmã do réu. Contudo, foi anotada a confissão como atenuante.

O Juízo denotou o concurso material das práticas, conforme dispõe o artigo 69 do Código Penal, em face dos desígnios autônomos do agente na prática dos dois crimes. “O bem juridicamente protegido pelo tipo penal de ameaça é a liberdade pessoal”, definiu Saboya.

A decisão concedeu ao réu o direito de recorrer em liberdade.​

por GECOM – TJAC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...