terça-feira, setembro 29, 2020

RIO BRANCO: Fretistas fecham rua e fazem protesto por regularização da categoria

Um grupo de cerca de 20 freteiros fechou a Rua Arlindo Porto Leal, em frente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), na manhã desta terça-feira (6), como forma de protesto contra a Agência Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado do Acre (Ageac). Os manifestantes se reuniram em frente da Gameleira, em Rio Branco. Eles alegam que tentam se regularizar como freteiros e a diretoria da agência adia os encontros. Paralelo a isso, os manifestantes dizem sofrer com multas abusivas e humilhações dos fiscais da Ageac.
Ao G1, o diretor-geral e presidente do conselho da Ageac, Vanderlei Freitas Valente, nega que a Agência esteja perseguindo a categoria. Ele disse que na verdade a Ageac está cumprindo o seu papel que é fiscalizar.
“Eles [fretistas] não estão trabalhando como freteiros, eles estão trabalhando com o transporte clandestino ilegal todos os dias. Eles carregam passageiros de forma irregular. Estão burlando a lei e querendo estipular mais uma modalidade de transporte no estado, só que irregular, porém, a lei não contempla essa categoria. Então, o que a gente está fazendo é fiscalizar e coibir o transporte irregular de passageiros”, explicou.
O freteiro Orieliton Martins disse que eles estão fazendo um movimento pacífico e que querem uma solução para o problema e conseguir se cadastrar na Ageac.
“Estamos aqui na Aleac para tentar resolver o problema de forma pacífica. Queremos uma solução, pois estamos trabalhando de forma irregular porque eles [Ageac] não deixam a gente se regularizar. Trabalhamos praticamente todo dia fazendo transporte de Rio Branco para Cruzeiro do Sul, somos em quase 20 caminhonetes. Quando a gente chega lá na Ageac mandam ir para a prefeitura e a prefeitura manda ir atrás do Sindicato dos Taxistas e ficamos sendo jogados de um lado para o outro”, disse.
Outra coisa que Martins reclama é que as multas cobradas são muito altas e que eles passam por constantes humilhações inclusive na frente dos passageiros.
“As multas que cobram são mais altas do que as da Álcool Zero, são cobrados valores de mais de R$ 2,3 mil. Quando eles pegam a gente fazem até a gente devolver o dinheiro para os passageiros e passamos por humilhações. Se a gente não tiver nenhuma resposta dos parlamentares ou do senhor presidente da Ageac vamos fechar a rua, porque estamos no nosso direito”, garantiu.
Francisco Neri, de 65 anos, diz que trabalha há mais de 12 anos como freteiro e que é constantemente multado nas rodovias.
“Minha carteira é para carregar cargas e disseram que não posso carregar o dono da carga. Eu disse tudo bem, fizeram eu devolver o dinheiro do passageiro, autorizou levar carga. No outro dia eu estava levando a dona da carga e me barraram. Disseram que eu não podia levar porque ela tinha que andar com a carga, peguei duas multas. Isso é um absurdo”, finalizou.
Do G1-Acre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...