sexta-feira, setembro 25, 2020

Antes de “dedurar” Temer, JBS “deu” dinheiro para Sebastião, Bittar e Cameli

Parece que o empresário Joesley Batista, da JSB, que gravou e “dedurou” o presidente Michel Temer (PMDB), há muito tempo estava de olho na área livre de febre aftosa do Acre. Pelo menos é o que poderia justificar as doações milionárias de campanha que ele fez para Sebastião Viana (PT), Perpétua Almeida (PCdoB), Márcio Bittar (PSDB) e Gladson Cameli (PP). Na campanha de 2014, a JBS doou R$ 580 mil para campanha de Sebastião Viana, que somados a outras doações aos comitês financeiros dos candidatos a deputado federal e estadual do PT chegou a mais de R$ 1 milhão.

O dinheiro da carne capitalista abasteceu campanhas socialistas. A comunista Perpétua Almeida, candidata ao Senado, na época recebeu R$ 349 mil de coações da JBS, recursos que de acordo com a prestação de contas no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi repassado pela direção nacional do PCdoB – que apesar de pregar o socialismo não dispensou uma força da grana capitalista –  para a campanha de Perpétua, que foi derrotada por Gladson Cameli (PP), que também recebeu generosas doações da JBS, que “deu” mais dinheiro que Silvio Santos em seus programas.

O esforço da JBS para ficar bem na fita com quem ganhasse a eleição no Acre, se estendeu aos candidatos que faziam oposição ao PT.  Segundo dados disponibilizados no site do TSE, Gladson Cameli recebeu doação no valor de R$ 600 mil da JBS, dividido em três repasses, o primeiro de R$ 100 mil – o segundo de R$ 200 mil e o terceiro de R$ 300 mil. O site destaca que os recursos foram repassados pela direção nacional do Partido Progressista para o comitê de campanha de Cameli no Estado. Joesley Batista não brincou em serviço concedeu mimos à esquerda, à direita e centro.

O candidato derrotado ao governo, Márcio Bittar (PSDB) – que faz oposição ao PT de Sebastião – abocanhou uma boa quantia de recursos da proteína animal da JBS. A empresa de Joesley Batista doou R$ 500 mil para campanha do tucano Bittar. Os recursos para campanha foram repassados pela executiva nacional do ninho tucano, que tinha como candidato a presidente da República, o senador Aécio Neves, que recentemente foi flagrado recebendo R$ 2 milhões da JBS para supostamente pagar advogados para se defender das acusações na Operação Lava Jato.

Pois é, meus três leitores, o Acre é pequeno, mas é enjoado. Os políticos acreanos não ficaram fora da divisão dos milhões, legalizados pelo TSE. A preocupação agora é saber se nossos representantes estão na lista do caixa 2 da empresa, que de acordo com O Antagonista, a delação premiada da JBS atinge nada menos que 1890 políticos, do presidente da República ao vereador. São histórias sórdidas de todo sistema corrupto que arruinou o Brasil. Só resta canta uma música de Zé Ramalho para quem pegou grana da JSB no Acre: “Eh, ôô, vida de gado Povo marcado, ê Povo feliz”.

Blog do Ray Melo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...