quarta-feira, setembro 30, 2020

Comissão de Segurança da ALEAC discute situação de vistos de estudante brasileiros na Bolívia

A comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Acre (ALEAC) realizou uma audiência pública, na cidade de Brasileia, na tarde de quarta-feira, 05, para discutir a situação do visto dos estudantes brasileiros que cursam medicina e medicina veterinária, em Cobija, capital do departamento de Pando, Bolívia. O evento foi realizado no Centro Cultural do município.  A audiência é fruto de um requerimento do deputado estadual Jenilson Leite, presidente da Comissão de Segurança Pública da Aleac. Além do autor do requerimento, estiveram presentes os deputados: Gehlen Diniz, Antônio Pedro, Leila Galvão, Eliane Sinhasique e Maria Antônia. Também participaram da audiência, a representante da imigração boliviana, Ana Clara; e a prefeita do município de Brasileia, Fernanda Hassem.
 
A audiência teve como objetivo discutir a situação dos brasileiros que são acadêmicos no país vizinho. Essas pessoas estão tendo problemas em relação ao visto de estudante e fronteiriço. Isso tem gerado transtorno aos estudantes e gastos exorbitantes. “Em função do pedido que foi encaminhado para a comissão de segurança pública da Aleac a respeito do tema, nós deputados resolvemos vim até Brasileia dialogar com as autoridades bolivianas e com os estudantes. Eu já estudei medicina no exterior e sei da dificuldade que é viver em outro país. Desse diálogo vamos tirar os encaminhamentos necessários para buscar uma solução para o problema”, explicou Jenilson Leite, presidente da Comissão de Segurança.
 
Para que os estudantes estudem de forma legal na Bolívia é necessário ter a documentação completa. O certificado de ensino médio tem que ser autenticado pelo Ministério da Educação (MEC) e ser traduzido para o espanhol. Além disso, precisa de um passaporte do Mercosul com o visto para estudantes. Pois, apenas o visto fronteiriço tem causados problemas aos discentes brasileiros. Muitos desses estudantes residem em Brasileia ou Epitaciolândia. Eles atravessam diariamente a fronteira para poder estudar medicina na cidade boliviana atraídos pelo valor da mensalidade do curso. A estudante do curso de medicina veterinária, Liane Rosa, relatou aos parlamentares a situação que estão passando para entrar no país vizinho. Segundo ela, a imigração boliviana cobra de alguns estudantes o pagamento de multas com valores exorbitantes. “ Valores que chegam a cinquenta mil reais (R$50 mil), mesmo estando com visto Fronteiriço em mãos”. Liliane relatou ainda, que nos três primeiros períodos da faculdade eles estavam de forma ilegal na Bolívia. “ Isso ocorreu, porque numa reunião realizada na nossa faculdade, com o responsável pelo setor da imigração, ele falou que nós poderíamos nos regularizar depois, e que não cobrariam multa. Mediante esta explicação, todos os estudantes foram e fizeram o visto fronteiriço conforme a imigração solicitou. Isso tem gerado transtorno e gastos”, relatou Liane Rosas.
 
Blitz na Fronteira
 
Nas primeiras horas dos dias 4 e 5 de abril, a polícia boliviana juntamente com a imigração realizaram blitz na entrada do país com o Brasil, sedo uma blitz na entrada de Epitaciolândia e outra na Ponte da Amizade, em Brasileia. Os transeuntes brasileiros têm que mostrar suas carteiras de identidades e falar o que estão indo fazer na Bolívia. As pessoas que estão indo passear são liberadas sem nenhuma advertência, contudo, os estudantes têm que mostrar o passaporte do Mercosul com o visto de estudante. Os estudantes que não atendem estes requisitos estão sendo notificados, seus nomes são anotados, bem como são obrigados a pagar uma multa no valor de quatrocentos bolivianos que é o equivalente a duzentos reais. Por conseguinte, são impedidos de ir para a universidade.
 

A Comissão de Segurança Pública vai produzir um relatório sobre a audiência, posteriormente este documento será encaminhado a embaixada da Bolívia, em Brasília, e também ao Itamaraty. Além disso, será formado uma Comissão composta pelos estudantes e presidida pelo deputado Jenilson Leite para irem a Brasília discutir a situação junto com a bancada federal.

Por Leandro Matthaus 
Informações e foto do  Jardy Lopes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Popular

Tarauacá: Grupo Tático prende cinco homens por envolvimento com o tráfico de drogas

Na sexta-feira, 03, a Polícia Militar, por meio do Grupo Tático de Tarauacá, braço da corporação para o enfrentamento do crime organizado, conseguiu prender...

Jordão: extração do látex da seringueira melhora renda de moradores da reserva extrativista; venda da borracha injetou sessenta mil na zona rural do município

Durante quase cem anos , final do séc. XIX e até  meados de 80 do séc. XX, a borracha, produto extraído do látex da...

Cel. Ulysses será o vice de Minoru Kinpara e Major coordenadorá a campanha do ex-reitor da Ufac

Pedro Valério continua presidente regional do PSL no Acre e as candidaturas do interior tanto para o legislativo, como para o executivo será coordenada...

Vereadores de Jordão apresentaram mais de 300 proposições legislativas em 2019

Os parlamentares de Jordão, no interior do Acre, concluem 2019 como um dos anos mais produtivos da história política da cidade. Os edis apresentaram...