Antes de “dedurar” Temer, JBS “deu” dinheiro para Sebastião, Bittar e Cameli

Parece que o empresário Joesley Batista, da JSB, que gravou e “dedurou” o presidente Michel Temer (PMDB), há muito tempo estava de olho na área livre de febre aftosa do Acre. Pelo menos é o que poderia justificar as doações milionárias de campanha que ele fez para Sebastião Viana (PT), Perpétua Almeida (PCdoB), Márcio Bittar (PSDB) e Gladson Cameli (PP). Na campanha de 2014, a JBS doou R$ 580 mil para campanha de Sebastião Viana, que somados a outras doações aos comitês financeiros dos candidatos a deputado federal e estadual do PT chegou a mais de R$ 1 milhão.

O dinheiro da carne capitalista abasteceu campanhas socialistas. A comunista Perpétua Almeida, candidata ao Senado, na época recebeu R$ 349 mil de coações da JBS, recursos que de acordo com a prestação de contas no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi repassado pela direção nacional do PCdoB – que apesar de pregar o socialismo não dispensou uma força da grana capitalista –  para a campanha de Perpétua, que foi derrotada por Gladson Cameli (PP), que também recebeu generosas doações da JBS, que “deu” mais dinheiro que Silvio Santos em seus programas.

O esforço da JBS para ficar bem na fita com quem ganhasse a eleição no Acre, se estendeu aos candidatos que faziam oposição ao PT.  Segundo dados disponibilizados no site do TSE, Gladson Cameli recebeu doação no valor de R$ 600 mil da JBS, dividido em três repasses, o primeiro de R$ 100 mil – o segundo de R$ 200 mil e o terceiro de R$ 300 mil. O site destaca que os recursos foram repassados pela direção nacional do Partido Progressista para o comitê de campanha de Cameli no Estado. Joesley Batista não brincou em serviço concedeu mimos à esquerda, à direita e centro.

O candidato derrotado ao governo, Márcio Bittar (PSDB) – que faz oposição ao PT de Sebastião – abocanhou uma boa quantia de recursos da proteína animal da JBS. A empresa de Joesley Batista doou R$ 500 mil para campanha do tucano Bittar. Os recursos para campanha foram repassados pela executiva nacional do ninho tucano, que tinha como candidato a presidente da República, o senador Aécio Neves, que recentemente foi flagrado recebendo R$ 2 milhões da JBS para supostamente pagar advogados para se defender das acusações na Operação Lava Jato.

Pois é, meus três leitores, o Acre é pequeno, mas é enjoado. Os políticos acreanos não ficaram fora da divisão dos milhões, legalizados pelo TSE. A preocupação agora é saber se nossos representantes estão na lista do caixa 2 da empresa, que de acordo com O Antagonista, a delação premiada da JBS atinge nada menos que 1890 políticos, do presidente da República ao vereador. São histórias sórdidas de todo sistema corrupto que arruinou o Brasil. Só resta canta uma música de Zé Ramalho para quem pegou grana da JSB no Acre: “Eh, ôô, vida de gado Povo marcado, ê Povo feliz”.

Blog do Ray Melo

=

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *